terça-feira, 23 de novembro de 2010

Revés


Fez-me mal ficar sem isso.
Fez-me mal querer alcançar o mundo com meus limitados abraços partidos.
Fez-me bem saber que o pânico pode vir das coisas mais singelas.
Fez-me bem entender que o linear do medo e da euforia confundem-se.

Fez-me desejar continuar isso.
Fez-me desejar ser este amador.

(Ama)a(dor) de palavras.
(De)ex(s)istindo de mim.

O diálogo incessante comigo mesmo continua.
Provavelmente não seja do teu interesse.
Sabiamente você pouco se interessará.
Toscamente irá me satirizar.

Assustadoramente eu vou te tocar.

(...)

Na minha falta de arte iludirei-me.
Na rima livre barata e dissimulada.
No não-planejamento de minhas ficções.

Criarei este universo para nós.

(...)

3 comentários:

rubens disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
rubens disse...

triste todo aquele que é desprovido de conflitos internos, mas seria mais triste aquele que não consegue externa-los/expressa-los?

Anônimo disse...

Obrigada por finalmente retomar com suas publicações,não pare mais.Sempre surpreendendo e se revelando ou não.